Máquinas  25/08/2021 | Por: Redação

ABIMAQ

Vendas de máquinas e equipamentos sobem 34,3% em 2021

No comparativo julho de 2021 com julho de 2020 houve crescimento de 7,1%, puxado pelos setores ligados ao agronegócio e de bens de consumo.


Os dados do mês de julho do setor de máquinas e equipamentos não revelaram surpresas. Divulgados pela ABIMAQ - Associação da Indústria Brasileira de Máquinas e Equipamentos, apresentaram queda em relação a junho e crescimento menos intenso na comparação com o mesmo período de 2020.

No comparativo com julho de 2020, mês que marcou o início da recuperação das vendas de máquinas e equipamentos, após o auge da crise causada pela pandemia do Covid-19, houve crescimento de 7,1%, puxado pelos setores ligados ao agronegócio e de bens de consumo.

Assim, como a base de comparação menos pressionada pelas ações de controle das infecções, o segundo semestre iniciou com taxas moderadas de crescimento em relação a 2020. No mercado interno o crescimento foi de 10,9% e nas exportações, de 26,3%. Nos sete primeiros meses de 2021, as vendas superaram em 34,3% as realizadas no mesmo período do ano passado. No mercado interno a taxa de crescimento foi de 45,7%.

As exportações de máquinas e equipamentos, que vinham de queda de 24,5% em 2020, voltaram a registrar crescimento em fevereiro deste ano e já em abril o setor contava com valores superiores aos do ano passado. Até o mês de julho o setor superou em 22,4% as exportações de 2020 e representam atualmente 23% da receita total do setor.

Importações

Após terem encolhido para a média de US$ 1,4 bilhão ao mês, as importações de máquinas e equipamentos ganharam força e em 2021 passaram a oscilar ao redor de US$ 1,7 bilhão, como reflexo da recuperação das atividades produtivas observada a partir do segundo semestre de 2020.

Em julho de 2021 houve recuo de 1% em relação a junho, quando as importações atingiram novamente US$ 1,7 bilhão - 38,4% acima de julho de 2020 (US$ 1,3 bi). No ano, as importações acumuladas superaram em 15,3% as do mesmo período de 2020.

Consumo aparente

Em julho o consumo aparente de máquinas e equipamentos encolheu 2,5% na comparação com junho. No período houve queda tanto na aquisição de máquinas produzidas localmente (-4,6%) como nas máquinas importadas (-1%). Em razão disso, a taxa de crescimento no ano recuou para 22,3%. Em julho de 2020 a participação do produtor local no consumo aparente era de 45,5%.

Emprego

O mês de julho de 2021 registrou o décimo terceiro crescimento consecutivo no número de pessoas ocupadas no setor. A indústria de máquinas e equipamentos encerrou julho com 363 pessoas empregadas diretamente. Em relação ao mês de julho de 2020 foram criados 62,5 mil postos de trabalho. Os setores que se destacaram nas contratações foram os fabricantes de máquinas agrícolas e de máquinas para a indústria de transformação - setores que, junto com a indústria de máquinas para construção vem acumulando as maiores altas na receita de vendas.